Mostrando postagens com marcador meio ambiente. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador meio ambiente. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 12 de agosto de 2014

LIXO

Por que, simplesmente, não cumprimos a lei?

 

A lei federal 12.305/2010 que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS - deu o prazo de 02 de agosto de 2014 para que os resíduos sólidos - vulgo lixo - tenha destinação final adequada ambientalmente
PNRS


Pois bem, escrevo este post no dia 12/08/2014 e nada, ou quase nada, foi feito nesse sentido. A pergunta que deve ser feita, portanto, é: Por que não cumprimos a lei? Lei não é feita para ser cumprida?

Afinal de contas, falta de prazo não pode ser alegado como justificativa, pois vão se lá, 4 anos!
Alguns veículos de comunicação estão usando o termo  laissez-faire que, em francês, significa literalmente "deixa passar" - esse termo assumiu um significado no capitalismo liberal para manifestar a posição da não intervenção estatal  no mercado para que esse funcione livremente. Mas, nesse caso, o significado é de descaso mesmo.

É lamentável como vemos no país boas leis que, na prática, não são cumpridas. O meio ambiente lamenta e gostaria de cobrar explicações a quem de direito.
Afinal, essa lei vai ficar só no papel? A sociedade tem de cobrar e exigir o seu direito de cidadão aos responsáveis por mais esse não cumprimento de uma lei fundamental à vida das pessoas e do planeta.
Veja, abaixo, matérias importantes a respeito.

Panorama 2013 ABRELPE 
Matéria da revista Exame

quarta-feira, 5 de junho de 2013

LIXO

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

Ótima entrevista de Suani Coelho, do Cenbio - Centro Nacional de Referência em Biomassa da USP - concedida ao Jornal Futura.

 
Créditos: Jornal Futura

 

quarta-feira, 24 de abril de 2013

TÉRMICAS

Matriz elétrica brasileira com mais térmicas?

Seria correto deduzir que, com as recentes declarações da presidente Dilma Rousseff - "quando pequenos reservatórios ou usinas a fio d'água são construídas, necessariamente há uma consequência: as usinas térmicas terão de entrar no sistema para fazer papel de reservatório" - , as térmicas passarão de reservas a titulares de nossa matriz elétrica?

 

A presidente Dilma e as térmicas

 Nossa matriz elétrica é, predominantemente, hídrica. Pois bem, do ponto de vista estratégico, ou alteramos essa predominância, investindo mais em outras formas de geração, ou a mantemos, garantindo a segurança do sistema, com a construção de novos reservatórios.


Mais térmicas na matriz elétrica significa mais poluição e danos ambientais ou, se preferirem, danos atmosféricos (climáticos).

Ora, se as restrições ambientais à construção de usinas com reservatórios (que podem "armazenar energia") têm como objetivo preservar o meio ambiente e manter as condições sociais locais intactas, não me parece sensato "substituir" esses futuros reservatórios, que não serão mais construídos, de acordo com essa postura atual, por térmicas mais caras e poluidoras.

Na prática é isso que está acontecendo: estamos trocando os reservatórios pelas térmicas. Ou seja, estamos alterando o formato do dano ambiental, que pode ser maior ou menor - isso é discutível, mas, sem dúvida, o meio ambiente continuará sofrendo e, ainda por cima, com uma conta mais cara a ser paga - não se sabe ao certo por quem.

Será que estamos no caminho certo? Será que não há uma saída mais sensata e adequada às conquistas ambientais do que esta que está sendo proposta?

By FONTES DE ENERGIA
  
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Blog 8 - Cadastro de Blogs